quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Apenas Um Dia de Gayle Forman


Avaliação:   | 384 páginas; Editora Novo Conceito

Allyson é aquela menina organizada, que não gosta muito de aventuras. Ela nunca foge do planejado e gosta do que é familiar e seguro. Quando ela e a melhor amiga se formam no colegial, os pais de Allyson lhe dão de presente uma viagem pela Europa. Apesar de estarem juntas, a viagem não está sendo das mais animadas, até que em Londres elas assistem à um teatro de rua apresentar Noite de Reis, de Shakespeare. Um dos atores é Willem, um garoto que se aproxima delas e convida Allyson para ir a Paris com ele.
Willem é holandês, mas está sempre viajando e conhece muito da Europa. Indo contra a sua natureza, com um empurrãozinho da melhor amiga, Allyson aceita viajar com ele e os dois passam um bom dia em Paris.
Pelo tamanho do livro é possível imaginar que a história não se passa apenas nesse dia; nós acompanhamos a protagonista por um ano. Depois de se envolver amorosamente com Willem e ser abandonada pelo mesmo no meio da cidade, Allyson retorna à sua vida nos EUA e começa a faculdade. Mas ela não consegue esquecer totalmente o que aconteceu e sua nova vida não lhe parece interessante. Mesmo sua amizade com sua melhor amiga começa a ser abalada e Allyson sente-se muito melancólica.
Apesar do núcleo romântico, principalmente na primeira parte, a história tem um foco muito grande em Allyson e a maneira como ela resolve seus problemas. Aos poucos ela faz novas amizades e começa a traçar objetivos e, principalmente, começa a trabalhar para alcançá-los. Por mais que a motivação aparente seja Willem, nós percebemos que a motivação real é a própria Allyson. Ela precisa dar esse passo para amadurecer, para se entender e ser feliz. Tudo isso se dá lentamente, portanto o ritmo do livro é tranquilo e esse desenvolvimento da personagem é bem visível. E eu gosto muito de autores que exploram bem a transformação dos personagens e dos eventos sem pressa.
Existe um segundo livro chamado Apenas Um Ano, que não se trata de uma sequência, mas da mesma história da visão de Willem. Eu confesso que não sou fã desse tipo de livro, que repete a mesma história de outro ponto de vista (pra mim isso é enrolação pra ganhar dinheiro). No entanto, como os dois personagens passam muito tempo afastados e o livro é em primeira pessoa, fiquei curiosa para saber como ele reagiu ao dia que passou junto de Allyson e como ele se desenvolveu ao longo desse ano. Afinal, mesmo tendo essa ligação entre os dois através das memórias, isso é tudo e eles têm vidas completamente diferentes em lugares diferentes. É praticamente outra história.


Um comentário: